quarta-feira, junho 12, 2024
LegislativoPolítica Nacional

Em discurso na Câmara, Nikolas Ferreira usa peruca e defende mulheres

O deputado federal Nikolas Ferreira (PL-MG) usou uma peruca e defendeu os direitos das mulheres nesta quinta-feira, 8, em discurso na Câmara. A manifestação ocorre no Dia Internacional da Mulher.

No discurso, o parlamentar mineiro subiu à tribuna da Casa e disse que as verdadeiras mulheres estão perdendo espaço para homens que se sentem mulheres. “Para vocês terem ideia do perigo que é isso, estão querendo colocar a imposição de uma realidade que não é a realidade”, observou.

Além disso, Ferreira criticou a intolerância dos “esquerdistas”. De acordo com o parlamentar, os cidadãos comuns não podem se expressar livremente em defesa de mulheres verdadeiras, porque podem ser tachados de transfóbicos, homofóbicos e preconceituosos.

“Não estou defendendo meu umbigo, mas a sua liberdade”, salientou o deputado. “A liberdade, por exemplo, de um pai recusar que um homem de 2 metros de altura, um marmanjo, entre no banheiro de sua filha — sem ser considerado transfóbico.” Críticas à Apple e à Hershey’s Ferreira disse que as mulheres estão perdendo seus espaços em diversos ambientes de trabalho, como nos esportes e nos concursos de beleza. “Uma pessoa que simplesmente pensa ser algo impõe isso a você”, afirmou. O deputado citou especificamente o caso da Apple, que escalou para a propaganda do Dia Internacional da Mulher um homem. “Ele, inclusive, é um ativista da obesidade”, ressaltou. “Há também a história da Hershey’s, que colocou um homem que se sente mulher numa propaganda de mulheres.” Ferreira ainda criticou o feminismo e disse que as mulheres não devem nada à ideologia. Conforme o parlamentar, uma das principais expoentes do feminismo, a escritora Simone de Beauvoir, teria defendido a legalização da pedofilia. “A esquerda fica em silêncio sobre isso”, afirmou. “E tenta dizer às mulheres que ser uma pessoa brava, de virtudes, é monopólio da esquerda. Isso é mentira. É algo humano. Ser corajoso não cabe apenas às feministas.”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *