domingo, junho 16, 2024
Política Local

Cassação de Silas Câmara pode colocar dois ‘bolsonaristas’ na Câmara Federal

A possível cassação do deputado federal Silas Câmara (Republicanos) – que volta à pauta de julgamento do Tribunal Regional Eleitoral do Amazonas (TRE-AM) nesta quarta-feira (24) – poderá causar uma recontagem dos votos e retirar também Adail Filho (Republicanos) do mandato. Com isso, o União Brasil e o Partido Liberal (PL) ganharão as vagas.

Neste cenário, assumiriam uma cadeira no parlamento federal o ex-prefeito de Manaus, Alfredo Nascimento (PL) e o ex-deputado federal Delegado Pablo (União Brasil), o primeiro do partido do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) e o outro um bolsonarista declarado desde as eleições de 2018. Eles tiveram 46.760 e 43.521 votos, respectivamente.

Pablo seria beneficiado porque o primeiro suplente da sigla, Pauderney Avelino, já assumirá o posto em fevereiro com a ida de Fausto Jr para a Secretaria de Estado de Desenvolvimento Urbano e Metropolitano (Sedurb).

Recontagem

Nas eleições de 2022, foram contabilizados 1.976.477 votos válidos para deputado federal no Amazonas. Se concretizada a cassação de Silas, a Justiça Eleitoral vai anular os 125.068 votos obtidos pelo parlamentar e haverá uma recontagem. Ou seja, o TRE-AM passaria a considerar 1.851.449 votos válidos, o que na prática mudaria o quociente partidário para eleger um deputado federal, que passaria de 247.060 votos para 231.431.

Como o Republicanos totalizou 291.549 votos com seus oito candidatos no pleito, com a anulação de Silas a sigla não alcançará o quociente eleitoral mínimo para ocupar cadeiras na Câmara Federal.

Cassação

Na próxima quarta-feira (24), o TRE-AM voltará a julgar o processo que pede a cassação de Silas Câmara, denunciado por possível captação e gasto ilícito de verba pública em fretamento de aeronaves durante as eleições de 2022.

O julgamento foi suspenso no dia 12 de dezembro de 2023, a pedido do juiz Marcelo Vieira. Naquela ocasião, já havia maioria de votos pela cassação do parlamentar.

Caso seja cassado pelo TRE-AM, Silas Câmara ainda pode recorrer ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Entenda o caso

Segundo a Procuradoria Regional Eleitoral, Silas teria contratado fretamento de aviões para voos entre municípios do Amazonas e do Acre. De acordo com o Ministério Público Eleitoral, a prática é irregular, pois os gastos eleitorais só podem ser usados dentro do território pelo qual Silas era candidato.

Com informações do Real Time 1

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *