quinta-feira, julho 25, 2024
Sem mimimi

Entre mortos e feridos, salvou-se a UEA   

Fracasso!

Como a SEM MIMIMI antecipou na edição dessa quarta-feira (10), a votação que regulamentou a Reforma Tributária na Câmara dos Deputados foi um desastre para a Zona Franca de Manaus (ZFM).

Entre os reveses, ao menos os repasses à Universidade do Estado do Amazonas (UEA) foram mantidos.

Não!

Por ter somente uma pequena parte de suas emendas atendidas, a bancada do Amazonas decidiu votar contra o Projeto de Lei Complementar (PLP) nº 68/2024. Ao todo, foram 336 votos a favor, 142 contrários e duas abstenções.

Aleluia?

Único dos oito deputados federais amazonenses a votar “sim” foi Silas Câmara (Republicanos). Fez isso porque a proposta mesmo prejudicando a ZFM foi favorável aos interesses das igrejas e ele, vale lembrar, assumiu recentemente a presidência da Frente Parlamentar Evangélica.

Prepare o bolso

Segundo projeção do deputado Pauderney Avelino (União Brasil), como as operações internas do comércio não tiveram a alíquota zerada no projeto aprovado, é muito provável que os preços das mercadorias aumentem tanto na capital quanto no interior.

Ponto principal

O crédito presumido, que é um benefício fiscal concedido pelo estado brasileiro para que o produto da Zona Franca tenha competitividade nos mercados fora do Amazonas, foi reduzido e as alíquotas serão decididas a partir de agora por um comitê gestor e pelo Tribunal de Contas da União (TCU) e não mais pelo Conselho de Administração da Suframa (CAS).

Redução

Na Zona Franca de Manaus, produtos de bens de informática, condicionadores de ar e aparelhos de áudio, por exemplo, contam com um crédito presumido de 100% que passa a ser reduzido em um terço.

Esperança

A esperança agora é que o texto seja corrigido no Senado e a competitividade da Zona Franca seja preservada. Lá a bancada amazonense tem tudo para receber apoio maciço das bancadas do Norte e Nordeste, formando maioria na votação.

Promessa

Em que pese ainda haja uma esperança para a manutenção dos incentivos ao Polo Industrial de Manaus (PIM), é preciso lembrar que a preservação da ZFM foi promessa de campanha de Lula (PT) e a narrativa referendada pela maioria dos integrantes da bancada.

Mudança

Esses parlamentares, é bom lembrar, que em sua maioria defenderam a aprovação da primeira parte da Reforma Tributária no ano passado e afirmavam que o modelo estava garantido, são os mesmos que agora demonstram preocupação com os rumos da nossa economia.

Polarização

Pesquisa divulgada nessa quarta-feira (10) pela Eficaz confirma a tendência de polarização entre o prefeito David Almeida (Avante) e o deputado federal Amom Mandel (Cidadania) na disputa pelo comando da Prefeitura de Manaus.

Números

No estudo, o atual mandatário aparece com 33,2% das intenções de votos e o jovem político soma 27,4%. Na sequência aparece o deputado estadual Roberto Cidade (União Brasil), com 9,3%,que se consolidou na terceira posição.

Dicotomia

O levantamento também mostrou que ao passo que David lidera as intenções de votos e cresceu 7% de junho para julho, também é o primeiro colocado no quesito rejeição, com 23,1% dos entrevistados dizendo que não votam nele de jeito nenhum.

Crescimento

Quem também cresceu em um mês foi Cidade, saindo de 7,1% em junho e subindo para 9,3% em julho, ou seja, um salto de 2,2%.

Diferentão

Falando em pesquisas, uma chamou bastante atenção. O estudo da Veritá, divulgado nessa quarta-feira (10), foi o único dos mais 30 publicados desde o ano passado, a apontar um cenário diferente entre a polarização David x Amom.

Capitão

Nesse levantamento, o bolsonarista Capitão Alberto Neto (PL) aparece na liderança com 20,7% das intenções de votos, à frente de Amom (18,8%) e David (16,5%).

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *