domingo, junho 23, 2024
Política LocalSem mimimi

Políticos do Amazonas participarão de ato convocado por Bolsonaro

No próximo dia 25, o ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) promoverá um ato na Avenida Paulista, em São Paulo, no intuito de protestar contra a perseguição empreendida pelo Judiciário contra políticos de direita, em defesa da democracia e, claro, para mostrar força em ano eleitoral.
A coluna SEM MIMIMI apurou que pelo menos cinco políticos do Amazonas participarão do evento na capital paulista.
São eles, o deputado federal Capitão Alberto Neto (PL); o ex-candidato ao Senado, Coronel Menezes (PL); os deputados estaduais Débora Menezes (PL) e Delegado Péricles (PL); e o ex-senador Arthur Virgílio Neto (sem partido).

Autodefesa
Em vídeo divulgado nas redes sociais para convocar aliados, Bolsonaro diz que irá se defender das acusações de que liderou uma tentativa de golpe de estado.

Sem cartazes
O ex-mandatário pediu, também, que os participantes não levem cartazes com críticas a nenhuma personalidade, ou seja, quer evitar embates diretos com o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Alexandre de Moraes.

PL fora
A “festa” está sendo organizada pelo pastor Silas Malafaia – que bancou o aluguel do trio elétrico – os filhos de Jair Bolsonaro e outros poucos políticos, entre eles Alberto Neto, sem a participação oficial do Partido Liberal.

Núcleo duro
Esse “núcleo duro” que organiza o evento se reuniu nessa quinta-feira (15), com Bolsonaro para alinhar os últimos detalhes e o deputado federal amazonense esteve no encontro, que inclusive foi postado nas redes sociais.

Juntos
“É uma manifestação pacífica a favor do Bolsonaro, e estarei ao lado dele, como sempre estive.”, disse Alberto Neto.

Medo de multa
A ausência do PL tem lastro na ofensiva feita por Moraes, presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) contra o partido após as eleições de 2022.
Na época, a legenda foi condenada a pagar R$ 22,9 milhões por criticar as urnas e o sistema eleitoral.

Não vai
Alinhado com as pautas da direita, o senador Plínio Valério (PDSB) confirmou à SEM MIMIMI que não participará do ato.

Em Manaus
Já o ex-vereador Chico Preto (PL), disse que não irá ao evento em São Paulo, mas participará de um ato convocado por movimentos locais, que será realizado na Praça do Congresso, no Centro.

Na igreja
Apoiador do ex-presidente, o vereador de Manaus, Raiff Matos (DC), afirmou à Coluna que não irá participar nem em São Paulo e nem na capital amazonense, já que, aos domingos, é ministro de louvor em quatro cultos na Nova Igreja Batista (NIB).

Anúncio
O deputado federal Amom Mandel (Cidadania), confirmará, no próximo dia 23, sua pré-candidatura à Prefeitura de Manaus no pleito deste ano.

No game
Após ensaiar uma desistência no final do ano passado, o parlamentar decidiu que irá para a disputa contra o atual mandatário do município, David Almeida (Avante), de quem é ferrenho opositor.

Crédito
A informação foi inicialmente apurada pelo analista político Bryan Dolzane e confirmada pelo BLOG DO BOTELHO nessa quinta-feira (15).

Data sugestiva
A data é sugestiva, uma vez que o Cidadania de Amom usa o número 23 nas urnas.

Golpe do perfil fake
Criminosos presos no Amapá são suspeitos de utilizar os nomes do delegado-geral adjunto da Polícia Civil do Amazonas (PC-AM), Guilherme Torres, e do diretor-presidente do Departamento Estadual de Trânsito do Amazonas (Detran-AM), Rodrigo de Sá, para aplicar golpes em supostas vendas de veículos.

Imparcialidade
A defesa de Bolsonaro pediu ao STF o impedimento de Alexandre de Moraes e a anulação de seus atos na investigação sobre a tentativa de golpe de estado.

Vítima e juiz
Em documento enviado ao presidente da Corte, ministro Luís Roberto Barroso, os advogados argumentam que Moraes – ao identificar-se como alvo de monitoramento e possível prisão na trama golpista – se colocou na posição tanto de vítima quanto de julgador, e não teria a imparcialidade para julgar o caso.

Sem indiciamento
Ainda falando em Moraes, a Polícia Federal concluiu nessa quinta-feira (15), o inquérito sobre a agressão ao filho do ministro do Supremo, no aeroporto de Roma (ITA), em julho do ano passado.
O empresário Roberto Mantovani Filho foi apontado pela PF como autor do crime de “injúria real”, mas não foi indiciado.

Tapa na cara
A PF afirmou no relatório que Mantovani “se dirige de modo incisivo” na direção do filho do ministro e “o atinge no rosto com a mão direita”, deslocando seus óculos
Fora do país
As autoridades decidiram pelo não indiciamento devido à natureza da ofensa, considerada de menor potencial ofensivo e cometida fora do país.

Abuso de autoridade
O caso é mais um nítido ato de abuso de autoridade do ministro Alexandre de Moraes. Sem provas, o empresário foi “linchado” por autoridades e boa parte da grande mídia.

Animais selvagens
O presidente Lula (PT), por exemplo, chegou a chamar Mantovani e seus parentes de “animais selvagens”.

Sem imagens
Tudo isso sem que as imagens do aeroporto tenham sido reveladas sequer à defesa do empresário e ao Ministério Público Federal (MPF).

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *