domingo, junho 23, 2024
Sem mimimi

Reeleição com chapa puro-sangue

Mesmo tendo MDB, PSD, DC e Agir, atualmente, na sua base aliada, o prefeito de Manaus, David Almeida, deve disputar a reeleição com uma chapa puro-sangue do Avante.

Segundo fontes da SEM MIMIMI, o mandatário do município já bateu o martelo e o vice deve ser o atual secretário de Infraestrutura, Renato Júnior.

A decisão, obviamente, já é pensando em 2026, quando o chefe do Executivo municipal pretende deixar o cargo para concorrer ao Governo do Amazonas.

Confiança

É importante lembrar que, caso seja reeleito e queira disputar o Governo daqui a dois anos, o prefeito precisará renunciar ao cargo. Por isso, a preocupação de ter um homem de confiança como vice e futuramente prefeito.

Senha

De acordo com o calendário eleitoral, para disputar como vice-prefeito, secretários municipais devem deixar o cargo quatro meses antes do pleito, ou seja, a confirmação do nome de Renato Júnior se dará, quando até o dia 6 de junho ele sair do comando da Seminf.

Mudança

Inicialmente, o parceiro de campanha sairia da indicação de um dos atuais aliados de David: os senadores Omar Aziz (PSD) e Eduardo Braga (MDB). No entanto, após muita conversa, os rumos da chapa mudaram.

Consolação

Para convencer os aliados, algumas concessões na gestão estão em pauta. A principal delas é a ida de Jesus Alves (MDB) – atual secretário de Habitação – para a Secretaria Municipal de Infraestrutura (Seminf) em substituição a Renato Júnior.

Visibilidade

A Seminf, além da terceira pasta em orçamento – atrás somente da Educação e Saúde – é um órgão que, se bem administrado, catapulta politicamente o comandante.

Espaço

Aliados de Omar também já passaram e ainda passarão a ocupar espaços de destaque na gestão. A atual secretária de Assistência Social, Dermi Rayol, por exemplo, é ex-chefe de gabinete do deputado federal Saullo Vianna (União Brasil), que é unha e carne com Omar.

Propaganda irregular

Falando em David, o vereador Rodrigo Guedes (PP) publicou um vídeo nas redes sociais em que denuncia o prefeito de usar a máquina da Prefeitura para fazer campanha política em um evento com garis.

Evento

O encontro foi realizado em uma escola na zona Norte da capital na última quinta-feira (22) e, segundo o parlamentar, os funcionários da Secretaria Municipal de Limpeza Pública (Semulsp) foram obrigados a ir e, inclusive, assinar lista de frequência.

Pedido de voto

Ainda segundo Guedes, além de preparar o transporte das pessoas, foi feito pedido expresso de voto, o que é proibido pela lei eleitoral no período de pré-campanha.

Nova data

Ainda sobre David Almeida, ele remarcou a data de lançamento de sua pré-candidatura à reeleição. Primeiramente, o evento seria no dia 29 de maio e foi adiado para o dia 3 de junho. O local segue sendo no Morro da Liberdade.

Vermelho, não

O tradicional vermelho do PT está sendo deixado de lado nas recentes peças publicitárias do partido. A estratégia é abandonar – pelo menos na identidade visual – a cor que liga ao progressismo.

Verde e amarelo

Para isso, os estrategistas da sigla estão adotando o verde, amarelo e azul, muito utilizado pelo ex-presidente Jair Bolsonaro (PL), que se apropriou das cores da bandeira do Brasil e do discurso patriótico.

Estratégia

Segundo matéria publicada pelo jornal O Globo nesse domingo (26), o movimento é mais evidente no Sudeste e no Centro-Oeste, regiões onde o presidente Lula perdeu para Jair Bolsonaro (PL) em 2022.

Rejeitado

O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Alexandre de Moraes, negou no final de semana um recurso apresentado por Bolsonaro contra decisão que o condenou à inelegibilidade por oito anos, bem como o seu candidato a vice-presidente nas eleições de 2022, general Walter Braga Netto.

Abuso de poder

Bolsonaro e Braga Netto foram condenados em outubro do ano passado por abuso de poder político e econômico pelo ato realizado no dia 7 de setembro de 2022, em razão do Dia da Independência. A Corte Eleitoral entendeu que ambos cometeram irregularidades ao usar o ato oficial do governo como plataforma eleitoral.

Negado

Moraes rejeitou um pedido dos advogados para que o caso fosse analisado pelo Supremo Tribunal Federal (STF), chamado de “recurso extraordinário”. Para tanto, porém, a demanda dependeria de uma aprovação de admissibilidade do próprio TSE. Segundo o ministro, o pedido não atendeu aos requisitos legais previstos para esse tipo de recurso.

Adiado

Ainda falando em STF, a corte adiou o julgamento sobre o direito ao uso de banheiros femininos ou masculinos por pessoas trans. Inicialmente, a discussão sobre o assunto estava prevista para a próxima quarta-feira (29), mas o tema foi retirado de pauta e não há data para análise.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *